Como publicitar a sua agência de viagens online

Comercializar um destino turístico é diferente da comercializar um produto. Em vez de um objeto tangível, estamos a tentar vender ao consumidor um destino. Como tal, é importante desenhar a estratégia de marketing digital com cuidado. É preciso delinear objetivos específicos e um plano detalhado para atingir as metas.

Criar o plano de marketing

Para este artigo, vamos supor que este não é o seu primeiro ano no negócio e que, por isso, já tem resultados passados para serem analisados e trabalhados. Na verdade, quanto mais dados tiver disponíveis, melhor. Isto porque, desta forma pode ver o que funcionou no passado e o que não funcionou.

É também importante lembrar-se que deve desenvolver um novo plano de marketing a cada ano para tirar partido dos novos desenvolvimentos, tendências e tecnologias. O objectivo deste plano de marketing é identificar oportunidades, desenvolver metas e traçar estratégias de como irá cumprir essas metas.

Identificar oportunidades: Existem novas oportunidades no setor? Estas podem ser uma nova tecnologia disponível no mercado, ou até mesmo algo como os preços do petróleo mais baixos que se refletem em viagens mais baratas (aéreas e terrestres). Qualquer um destes fatores pode afetar diretamente viagens e pode permitir fazer algo diferente. Além disso, é possível que o destino que está a promover tenha uma nova atração que seja apelativa para os turistas, como por exemplo a existência de novos apartamentos monte gordo para alugar. Seja qual for o caso, é importante que identifique as oportunidades disponíveis e perceber se pode tirar partido delas.

Criar metas: Com base nas oportunidades que identificar na etapa um, é necessário fazer um “brainstorming” e criar metas para aproveitar as oportunidades identificadas anteriormente. É importante que os objetivos sejam atingíveis, mas não demasiado fáceis e/ou que exijam pouco esforço.

Delinear estratégias: Uma vez que identificadas as oportunidades e criadas as metas, o foco deverá convergir para a criação de estratégias acionáveis que ajudam a cumprir essas metas.

4 coisas de que não pode prescindir

Existem 4 coisas que qualquer agência de viagens ou promotor turístico precisa para o marketing e promoção de um destino ser bem sucedida. Centrando esforços em cada uma destas áreas, permitir-lhe-à maximizar o seu retorno de investimento.

Parcerias: Não pode fazer tudo sozinho e é por isso que as parcerias são extremamente importantes. Vão ajudá-lo a maximizar o seu investimento e a chegar a um público muito mais amplo.

Feiras de turismo: Estas feiras são muito importantes na indústria do turismo e é preciso estar presente ano após ano. Ajudam, não só a promover a sua marca, e permitem interagir com potenciais parceiros e discutir ideias sobre a indústria.

Patrocínios são importantes na indústria do turismo: Os patrocínis permitem que que o seu nome surja em vários locais, como por exemplo eventos do patrocinador.

Marketing digital e publicidade: Finalmente, e na base de todo este artigo, é preciso investir em Marketing Digital e publicidade. Em 2015, os planos de viagem são feitas principalmente online e não pode ignorar este segmento em franca expanção e altamente lucrativo.

A Europa Precisa de Mais Mulheres Empresárias

Os Empreendedores são indispensáveis para o crescimento e prosperidade económica da Europa. No entanto, continuam a sentir enormes barreiras à entrada no mundo dos negócios: educação, estereótipos, falta de confiança e acesso a financiamento start-up são algumas das barreiras mais comuns. A União Europeia (UE), juntamente com os Estados Membros, está a trabalhar para que possam ser ultrapassadas essas barreiras, de modo a que as mulheres possam expressar todo o seu potencial. Uma nova rede de embaixadoras do Empreendedorismo Feminino ajudará a espalhar a mensagem.

Os Empreendedores são aqueles que têm ideias criativas, vontade e determinação para criar um pequeno negócio: a semente da qual grandes empresas podem surgir. No entanto, as mulheres constituem, apenas, um terço da comunidade de Empreendedorismo da UE, isto devido a um ambiente hostil que torna difícil para estas o estabelecimento e crescimento das suas empresas. Apenas 8% da força de trabalho feminina tem o seu próprio emprego, comparada com 16% nos homens. “Esta situação tem de mudar e temos de encorajar mais mulheres Empreendedoras” diz o Comissário das Empresas e Indústria, Gunter Verheugen. “isso não só trará novas ideias de negócio como também fortalecerá o papel das mulheres na sociedade” Os Estados Membros estão a introduzir as suas próprias medidas, elaboradas na base de diferentes circunstâncias e apoiadas por oportunidades de troca de boas práticas entre países. Mas é também necessária uma acção a nível europeu. A UE lançou uma série de acções inovadoras que visam promover o Empreendedorismo Feminino. Outras medidas similares estão a ser desenvolvidas pelo mundo.

Nos Estados Unidos cresceu para o dobro a taxa de mulheres que têm o seu próprio negócio quando comparado com a taxa existente entre 1997 e 2002, a taxa é de 14%, ou seja, 6.2 milhões, de acordo com o Center for Women’s Business Research, contribuindo com 2.38 triliões de dólares na economia americana. No entanto, as mulheres também foram atingidas pela crise económica. Em Outubro, a Secretária de Estado Hillary Clinton, reuniu em Washington Empreendoras do norte e sul da América para dar um novo impulso através do mentoring e redes de Empreendedorismo Feminino. Na Ásia, alguns países compilaram dados relativos às mulheres, sendo que o estudo indicou que os obstáculos ao Empreendedorismo Feminino são a formação, financiamento e mercados, bem como o papel tradicional das mulheres na sociedade.